Design Patterns no Java SE: o Template Method

Quando alguém aprende o que é Design Pattern, ou mesmo um novo Design Pattern, fica com aquele sentimento de que já viu isso em algum lugar antes. A API do Java SE é um excelente lugar para encontrar milhares de exemplos de Design Patterns. Só a java.util, a java.io e a java.lang já são suficientes para estudar os mais usados.

A classe abstrata java.io.InputStream é um excelente exemplo. Ela possui um conjunto de métodos para leitura de bytes, porém apenas um deles é abstrato: o método read que lê apenas um único byte. Segue seu fonte:

public abstract int read() throws IOException;

Ele é abstrato pois essa classe não sabe exatamente de onde será realizada a leitura: da entrada padrão? de um arquivo? de uma socket? Esse comportamento vai ser definido através da reescrita desse método em uma de suas subclasses concretas: FileInputStream, SocketInputStream, ByteArrayInputStream, entre outras. Essas sim sabem realizar a operação de leitura de um byte.

Se a classe InputStream não sabe ler um byte, como então é possível existir um método read que recebe um array de bytes a ser preenchido pela leitura, que não seja abstrato? Vamos ver o fonte deste método:

public int read(byte b[]) throws IOException {
   return read(b, 0, b.length);
}

Este por sua vez esta invocando o método sobrecarregado do read que recebe, além da array a ser preenchida, a posição inicial e quantos bytes devem ser lidos. O fonte deste método está abaixo:

public int read(byte b[], int off, int len) throws IOException {
      if (b == null) {
         throw new NullPointerException();
      } else if (off < 0 || len < 0 || len > b.length - off) {
         throw new IndexOutOfBoundsException();
      } else if (len == 0) {
         return 0;
      }

      int c = read();
      if (c == -1) {
         return -1;
      }
   
      b[off] = (byte) c;

      int i = 1;
      try {
         for (; i < len ; i++) {
            c = read();
            if (c == -1) {
               break;
            }
            b[off + i] = (byte)c;
         }
      } catch (IOException ee) {
      }
      return i;
   }

Nas linhas 10 e 20 temos invocações ao método read que é abstrato! Isso é possível pois sabemos que não existe como instanciar a classe InputStream: ela é abstrata. Essa invocação recairá sobre um objeto que foi instanciado, logo ele possuirá uma implementação deste método read.

Esse é uma ótima ilustração do Template Method. Os métodos read que lêem mais de um byte são templates: eles possuem o algoritmo em si, mas ainda falta um pouco para que toda a funcionalidade deles esteja pronta. Essa parte que falta é suprida com a implementação concreta do método read nas classes filhas de InputStream. Quando a classe filha implementa esse método, os demais métodos de InputStream que dependem deste (os template methods) estarão prontos para uso!

Obviamente a OutputStream funciona de maneira análoga. No java.io ainda encontramos o Decorator Pattern, na java.awt o Composite Pattern, no java.lang temos o Builder e no java.util temos Iterator, Strategy, Prototype e muitos outros. Qual é seu exemplo preferido de Design Pattern dentro do Java SE? Conheça muitos outros no nosso curso online de Design Patterns.

4 Comentários

  1. Nico 05/09/2007 at 04:08 #

    Recentemente precisei implementar um Observer em Java. Antes de implementar na mão resolvi pesquisar e descobri que no pacote java.util já tem a interface Observable e a classe abstrata Observer!

    Mão na roda!

  2. Glaucio Guerra 06/09/2007 at 11:05 #

    Olá,

    Muita boa essa colocação. É importante mostrar na prática a utilização de Design Patterns e nada melhor que a própria API para servir de exemplo 🙂

    Um abraço!

  3. Paulo Silveira 30/07/2008 at 03:35 #

    Nessa thread do GUJ tem mais exemplos praticos da api do java
    http://guj.com.br/posts/list/98386.java

Deixe uma resposta