O recurso de implicits no Scala

Quem nunca reclamou de uma API não tão bem amigável? Um bom caso é o uso do Calendar enquanto estamos programando em Java. Para fazer uma simples soma de dia num Calendar acabamos com o seguinte código:

   Calendar data = Calendar.getInstance();
   data.add(Calendar.DAY_OF_MONTH,1);

O que seria mais interessante, pelo menos nesse caso, seria ter algum método mais propício que fizesse a lógica de adição. Lá dentro poderia até ser implementada de uma maneira complicada, mas é para isso que serve encapsulamento. Já que trabalhar com Calendar é muito comum, muitos programadores acabam criando classes utilitárias justamente para encapsular este tipo de código. Abaixo segue um exemplo:

  CalendarUtil calendarWrapper = new CalendarUtil(Calendar.getInstance());
  calendarWrapper.plusDays(1);

Existe inclusive o bem conhecido Joda Time, exatamente com esse propósito. O problema aqui é que nem sempre temos uma lib como essa para tentar minimizar problema de APIs verborrágicas e, além disso, temos que trabalhar com objetos de classes diferentes, talvez modificar assinaturas de métodos que já existem, algumas vezes impossível. Pensando nisso, a Scala tem umas de suas mais conhecidas features, para simular novos métodos em classes que não temos controle. Imagine que queremos ter um novo método no Calendar chamado plusDays. O código seria como o abaixo:

   Calendar data = Calendar.getInstance();
   data.plusDays(1);

Só que esse método não existe. É justamente aqui que criaríamosnosso próprio Wrapper, adicionando esses novos métodos e delegando os antigos, podendo implementar um decorator. No Scala, podemos indicar ao compilador para que procure métodos não existentes em determinadas classes em outro lugar. Preste atenção no código a seguir, que define um método convertCalendarToImprovedCalendar que recebe um Calendar e devolve uma instância de classe anônima (filha de Calendar) com o método adicional plusDays:

  object Converters {
   implicit def convertCalendarToImprovedCalendar(calendar:Calendar) = new {
      def plusDays(number:Int) = calendar.add(Calendar.DAY_OF_MONTH,number)
   }
  }

O nosso plusDays poderia ser implementado inclusive com o Joda Time por debaixo dos panos, e os outros desenvolvedores continuariam a trabalhar com o velho conhecido Calendar.

A mágica aqui acontece com o uso da palavra implicit. Podemos agora pedir para que esse conversor seja utilizado sempre quando um método não existente em Calendar for invocado. Basta importarmos o Converters, como no exemplo abaixo:

  import Converters._
  class TesteCalendarComMetodosNovos {
    def main(args:Array[String]) {
      val data = Calendar.getInstance();
      data.plusDays(1);
    }
   }

Repare que os métodos da classe Converters são importados estaticamente para o escopo de execução, a linha import Converters._ funciona muito parecido ao import estático do Java.

Essa técnica para adicionar novos comportamentos em classes que não estão disponíveis para serem alteradas foi chamado de Pimp my Library por Martin Odersky, num post que ele escreveu há bastante tempo. Outras linguagens possuem features similares, como as Open Classes do Ruby. Uma diferença bastante grande entre os implicits e as Open Classes é que como o Scala é uma linguagem estaticamente tipada, a resolução das chamadas a esses métodos são todas resolvidas em tempos de compilação. Nada é adicionado em tempo de execução.

Implicit method é uma das features que mais utilizamos da linguagem (e precisamos tomar cuidado para não abusar). Adicionar esses novos comportamentos, criação de DSLs e outros usos que discutiremos em novos posts são alguns dos exemplos de uso.

Para quem quiser ver um pouco mais, existe um projeto chamado hibernate-dsl que utilizamos aqui na Caelum para conseguirmos trabalhar com a session do Hibernate de maneira mais interessante.

2 Comentários

  1. Roberto Souza 13/01/2012 at 16:50 #

    Bem melhor q ter de fazer tudo na unha hein? kkkk. Quero ver quando o java vai ter isso!

  2. Raphael 16/01/2012 at 15:14 #

    tava esperando ha tempos por esse artigo

    vlw alberto

Deixe uma resposta