USP, São Carlos, software livre e o OLPC

Esses últimos dois dias estive em São Carlos, no ICMC da USP (casa de alguns colegas da comunidade). Dois professores do IME, instituto onde estudo e mantenho alguns trabalhos, não puderam participar então fui, jutamente com o Alexandre Freire, a apresentação do italiano Stefano De Panfilis da Engineering Ingegneria Informatica (maior empresa de software da Itália), que veio falar sobre o projeto Qualipso e os centros de competência de software livre que estão sendo criados na União Européia (e eles estão bancando um na China e outro aqui no nosso Brasil). A previsão da união européia sobre o uso de software livre nas empresas não poderia ser mais animadora. A polêmica idéia da UE é a de criar um certificado “CMM-like” para projetos open source. Arrojado.

O Alexandre Freire é um cara ímpar: foi desenvolvedor java em Trevenso na Itália, couch de XP na paggo, hospedou o Richard Stallman em sua própria casa por uma semana, é um dos responsáveis pelo Estúdio Livre, gerente de projeto do Ministério da Cultura (MinC) quando palestrou em diversos lugares do mundo, desde a Inglaterra até a Tunísia, já jantou com o Carlos Villela e com o chefão da Thoughtworks por lá, e até instalou internet via satélite em uma aldeia cabloca no interior do Pará: Aritapera. Um ativista. Sempre que o encontro ele está tecendo muitas idéias novas. O volume de informações que eu adquiro é incrível.

Durante a apresentação do Alexandre, me dei conta que o IME já produziu bastante software livre: avançados hacks no kernel do linux, agendamento de carga didática usando algoritmos genéticos, diversos plugins para o eclipse, organizadores de aula, sistemas de prontuário eletrônico usando PDAs, possui comitters no JBoss e Jacorb, entre uma lista com mais de 20, e devem haver mais sem contar as implementações de algoritmos sem uso direto na indústria.

O grande problema é gerenciar todo esse trabalho e código: como reaproveitá-lo. O Centro de Competência em Software Livre da USP, que está sendo construído grudado ao bloco do IME, será responsável por isso e muito mais!

CIMG1121 CIMG1117
CIMG1113 CIMG1111

Também tive ontém meu primeiro contato com o OLPC devido a proximidade do Alexandre com o MinC. É o primeiro protótipo (deverá haver mais dois). Fiquei muito impressionado com o que conseguiram fazer com 145 dólares: 256 mb de ram, um excelente lcd, câmera, som, wifi e dois slots usb. O teclado e o touchpad desta versão não estão muito funcionais (leia-se: as vezes não funcionam). Quando fechado ele realmente parece um brinquedo (passaria desapercebido como uma lancheira).

O Sugar, o desktop manager do OLPC, é um show a parte: eles mudaram totalmente o conceito de desktop: as crianças possuem três ambientes (que podem ser acessados por teclas): as suas aplicações, as aplicações que estão comparilhadas entre seus amigos, e as aplicações que estão compartilhadas entre todo mundo. Isso tudo via descoberta ad-hoc e sem usar palavras, apenas ícones, aumentando o apelo para as crianças.

O Etoys é uma aplicação escrita em Smalltalk rodando no Squeak, que tem inspirações no nosso bom e velho Logo (saudades do CP400 de meu pai), vai certamente trazer algumas crianças para o nosso ramo. Confira no vídeo abaixo uma apresentação do sugar e repare no Etoys.

Java não vem instalado, mas com o Java 6 sendo GPL talvez isso mude. A maioria das aplicações são escritas em python. Todas as aplicações são colaborativas: até mesmo o firefox pode ser compatilhado para que o guri mostre a seus amigos o incrível artigo que descobriu no wikipedia (ou quem sabe um tutorial de como quebrar MD5 por força bruta com menos tentativas). Confesso que sempre duvidei do sucesso do projeto, agora mudei de lado.

Conheci lá o Christian Reis, um python hacker amigo do Alexandre que dirige a Async, uma empresa fortemente ligada com a Canonical, prestando serviço para fora e fabricando software livre. Fiquei impressionado com a relação da empresa com a universidade e a comunidade. Seu modelo de negócios vale um estudo aprofundado.

Foram dois dias bem agitados. A Caelum vai participar de perto do centro de competência e em breve teremos novidades.

3 Comentários

  1. krico 09/02/2007 at 03:27 #

    Putz, muito legal! Fico triste pois queria ter ido. Queria muito ter visto o OLPC laptop e principalmente matar a saudades de você e do Ale!

  2. Daniel Quirino 11/02/2007 at 13:30 #

    Poxa, você foi até o ICMC e nem deu um toque? 🙁

  3. Antonio Kantek 23/02/2007 at 10:22 #

    O Ale eh uma das poucas pessoas ligadas a computador que realmente fez algo de util para a sociedade. Alem disso, ele deve ter uma paciencia incrivel.. nao eh qualquer um que hospeda o mega stallman 🙂

Deixe uma resposta